Universidade Católica Portuguesa – porque escolhemos o alojamento no SARI

Desde o início do projecto RCAAP que a UCP mostrou intenção de que o seu futuro Repositório Institucional dele fizesse parte ; por isso, a UCP tem participado activamente no Grupo de Trabalho – Open Access, e seguiu com especial atenção o desenvolvimento dos serviços disponibilizados pelo projecto, com especial relevância o Serviço de Alojamento de Repositórios Institucionais (SARI).

No início de 2010, e tendo reunido todas as condições para criar o seu Repositório, considerou a UCP importante reavaliar a sua opção original de o alojar localmente e com meios próprios – até porque o SARI tinha acabado de fazer um ano de existência, e era possível avaliar o seu desempenho e sustentabilidade durante esse período, e assim considerá-lo como opção viável.

Dado que outras instituições podem neste momento – ou poderão estar no futuro – perante a mesma encruzilhada, parece-nos pertinente partilharmos algumas das considerações que nos levaram à decisão final de alojar o Repositório Institucional da Universidade Católica no SARI:

  • Alojamento em serviço gratuito de solução “chave na mão”;
  • Diminuição de custos de implementação – menos um servidor para adquirir, manter, actualizar, fazer cópias de segurança, etc. Libertação dos recursos humanos do departamento de informática que teriam de ser alocados a estas tarefas;
  • Diminuição de custos de administração – todos os trabalhos de parametrização, actualização do software para garantir compatibilidade com meta repositórios (por exemplo, o europeu), novas versões do DSpace e instalação de melhores funcionalidades no próprio repositório (por exemplo, desenho e instalação de um módulo de estatísticas) são efectuados pela equipa do RCAAP, tal implicando uma estrutura administrativa mais leve, com menor necessidade de recursos humanos alocados à mesma;
  • Acompanhamento pela equipa do helpdesk do RCAAP com conselhos, melhores práticas partilhadas e formação para gestores, quer inicialmente, quer ao longo de todo o projecto;
  • Libertação da equipa na UCP gestora do Repositório no que concerne ao tratamento das questões legais e tecnológicas emergentes do mesmo – por exemplo, será o SARI a encarregar-se do registo da UCP no sistema Handle (sistema de gestão de endereços online únicos);
  • Rapidez de implementação – depois da entrada no SARI a instituição estará capaz de iniciar o auto arquivo num prazo que poderá ser inferior a dois meses;
  • Manutenção de todos os benefícios de um Repositório local – o acesso de gestão faz-se online, assim como o auto arquivo de documentos, fazendo com que o processo seja totalmente transparente para o utilizador final, tornando irrelevante o local físico onde está o Repositório.

Consideramos que, qualquer instituição de investigação Portuguesa deverá considerar a criação do Repositório da sua produção científica como uma prioridade fundamental, e ao fazê-lo aconselhamos a inclusão do alojamento do mesmo no SARI como uma das opções a terem em conta.

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s