Boas práticas: Inserir TID nas Teses e Dissertações – como fazer?

Sabia que a inserção do identificador TID nas Teses e Dissertações já depositadas é um procedimento muito simples?

Recordamos que o TID é um identificador numérico composto por 9 números que identifica o registo da tese ou dissertação na DGEEC. Este identificador é criado na Plataforma RENATES e mantido pela DGEEC: https://renates.dgeec.mec.pt/ 

São abrangidos legalmente neste processo todos os trabalhos (uma tese de doutoramento, um trabalho previsto nas alíneas a) e b) do n.º 2 do artigo 31.º do Decreto -Lei n.º 74/2006, de 24 de março, na redação dada pelo Decreto -Lei n.º 115/2013, de 7 de agosto, uma dissertação de mestrado ou um trabalho de projeto ou relatório previstos na alínea b) do n.º 1 do artigo 20.º do mesmo diploma legal) que conferem o grau de mestre ou de doutor de acordo com a seguinte legislação:

No website do Projeto RCAAP é possível consultar mais informação prática sobre este tema.

No contexto dos SARI’s, como fazer?

No contexto dos Repositórios Institucionais integrados no Serviço de Alojamento de Repositórios Institucionais (SARI), todo o worflow já está configurado e disponível para receber o TID aquando do depósito ou, mais tarde, na edição dos trabalhos já depositados. Este processo aplica-se também aos repositórios que tenham incorporado os requisitos para as teses e dissertações.

No momento de depósito dos trabalhos que já tenham sido previamente registados na plataforma RENATES, basta inserir o identificador no seguinte campo:

Para os trabalhos que já tinham sido depositados mas que só agora se efetou o registo ou que só agora se tomou conhecimento do identificador TID, basta localizar o trabalho e efetuar a edição do mesmo:

1- Editar o Registo

2 – Adicionar um novo campo “dc.identifier.tid” com a indicação do TID

3 – Clicar em atualizar para guardar as alterações efetuadas. 

Após este processo, o registo do repositório possui adeaquadamente o TID e permitirá a sua divulgação nos restantes sistemas.

O Interface OAI-PMH

Tecnicamente, o próximo passo é a exibição da informação do TID no protocolo OAI-PMH do repositório. Por norma, o OAI-PMH do repositório é atualizado diariamente, pelo que um trabalho depositado ou editado num dia ficará apenas disponível nesse interface no dia seguinte.

Para consultarem o endereço OAI-PMH, na maior parte dos casos basta adicionar ao endereço do repositório o valor “/oai/request”, por exemplo, o repositório Comum: https://comum.rcaap.pt tem o OAI-PMH em: https://comum.rcaap.pt/oai/request . Podem consultar os endereços OAI-PMH dos repositório no diretório do Portal RCAAP: https://www.rcaap.pt/directory.jsp .

Após identificarem o endereço do OAI-PMH do vosso repositório, podem verificar no menu “Identifiers” os trabalhos do repositório e os metadados expostos.

Para consultar um item em particular, basta clicar no primeiro item que aparece na lista em “View Details”.

E substituir o último número no URL pelo número do trabalho que pretendem analisar. Por exemplo, neste caso substituir o 12 por 20184.
https://comum.rcaap.pt/oai/request?verb=GetRecord&metadataPrefix=oai_dc&identifier=oai:comum.rcaap.pt:10400.26/12

Passa a https://comum.rcaap.pt/oai/request?verb=GetRecord&metadataPrefix=oai_dc&identifier=oai:comum.rcaap.pt:10400.26/20184.

Neste caso, vamos ver o que é exposto no OAI-PMH para o trabalho: https://comum.rcaap.pt/handle/10400.26/20184

Na listagem dos elementos de metadados conseguimos identificar o TID do trabalho corretamente exposto:

Neste caso em particular, o TID está corretamente exposto pelo repositório. O próximo passo é o Portal RCAAP identificar e agregar essa informação.

No Portal RCAAP

O Portal RCAAP agrega diariamente todos os recursos (revistas e repositórios) integrados e no caso das teses e dissertações, identifica e guarda o TID associado a cada trabalho. Uma vez que essa informação é administrativa, não é apresentada para os utilizadores finais no interface do Portal.

Considerando os períodos de indexação do OAI-PMH do repositório, o período de agregação do Portal RCAAP e o período de consulta do RENATES ao Portal, um trabalho depositado no repositório pode demorar 3 -4 dias a ficar totalmente fechado.

No caso do Portal RCAAP, o RENATES consulta a API do Portal para obter informação de um determinado item com base no identificador TID. Se encontrar um registo com a identificação correta, o trabalho é automaticamente fechado no RENATES.

Para verificarem se o TID está no Portal podem aceder ao seguinte URL, devendo apenas substituir o valor do “identifier” no final pelo TID desejado:

https://www.rcaap.pt:443/api/v1/documents?page=1&&jsonp=rcaapCallback&&resultsPerPage=10&includeAllRepositories=true&&&&&&&&&&&&&identifier=201816962

Em alguns casos particulares, o Portal RCAAP pode não atualizar e identificar os TIDs dos trabalhos, sendo necessário agregar totalmente o repositório para que essas alterações sejam consideradas. Por norma, pode acontecer nos casos de introdução retrospetiva do TID quando o registo não é devidamente exposto com a data de atualização. Nestes casos particulares, contacte o helpdesk do RCAAP para que se proceda à agregação total.

No contexto dos Repositórios com Gestão Local, como fazer?

No contexto dos Repositórios Institucionais locais que não são abrangidos pelo Serviço de Alojamento de Repositórios Institucionais (SARI) deverão implementar os seguintes requisitos:

Estas instruções têm por base a plataforma DSpace 5.x, contudo, os requisitos base são idênticos para outras plataformas.

Anúncios

Plumx da Plum Analytics implementado no RI do CHUC

Foi implementado no Repositório Institucional do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra o PlumX Metrics.

plumx

O PlumX Analytics, da EBSCO information Services, é um serviço que demonstra como a investigação é utilizada e comentada em diversos serviços de uso global. Se por um lado exponencia o valor dos repositórios institucionais e incentiva ao depósito, por outro permite aos autores analisar o impacto e alcance da sua produção científica num só lugar.

O Plumx monitoriza as métricas não só de artigos como de outras produções científicas e apresenta os resultados em 5 categorias: redes sociais, citações, uso, resultados e menções. Para além dessa categorização quantifica os resultados e permite ver a fonte da informação dessa ocorrência.

No contexto do Repositório Institucional foi integrado o PlumX Print Widget para a visualização da informação das métricas alternativas de cada artigo.

Consulte um exemplo aqui.

Seminário: 10 anos de Ciência Aberta do IPB

Decorreu no dia 20 de junho de 2016, no Instituto Politécnico de Bragança (IPB), no Auditório da Escola Superior de Tecnologia e Gestão, o Seminário: 10 Anos de Ciência Aberta do IPB (Vídeo). A sessão foi organizada no âmbito da celebração do 10º aniversário da Biblioteca Digital do IPB.

A sessão de abertura foi efetuada pelo Prof. João Sobrinho Teixeira, Presidente do Instituto Politécnico de Bragança e pela Prof. Maria Fernanda Rollo, Secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

IMG_6300Como conferencistas esteve presente Eloy Rodrigues, Diretor dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho e Presidente do COAR e Vasco Vaz, Fundação para a Ciência e Tecnologia

O Presidente do IPB falou da investigação praticada no IPB e do sucesso do repositório e assinou a nova Política de Acesso Aberto de Publicações Científicas na Biblioteca Digital do IPB

IMG_6271A Prof. Maria Fernanda Rollo, Secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, elogiou a Biblioteca Digital do IPB referindo a iniciativa e a competência com que o fez, referiu indicadores estatísticos do repositório. Falou da ambição de criar uma Política Nacional de Ciência Aberta, referindo que: “temos como consigna fundamental de ciência em Portugal, uma política de conhecimento para todos…”.

Já a Coordenadora dos Serviços de Documentação e Bibliotecas do IPB, Clarisse Pais, apresentou uma comunicação sobre: Biblioteca Digital do IPB: 10 anos ao serviço da informação científica. Dignificou o sucesso nacional e internacional que a Biblioteca Digital do IPB possui, salientando os mais de seis milhões de downloads e os 92% de documentos depositados em acesso aberto. A nível internacional evidenciou o estudo efetuado pelo projeto Pasteur4OA, que coloca o IPB em segundo lugar, a nível mundial, em termos da taxa de depósitos de artigos presentes na WoS entre 2011-2013, de referir que esses artigos estão em acesso aberto. A pensar numa abertura do repositório à comunidade em geral, mostrou uma coleção que se chama Repositório de Memória Regional, onde podem ser depositados documentos com interesse para a cultura regional, que sejam de domínio público, ou por quem detenha os direitos de autor.

Na Mesa Redonda, moderada pelo Prof. Orlando Rodrigues, constituída por dois investigadores do IPB (Isabel C.F.R. Ferreira e Paulo Leitão), a Diretora do Museu Abade de Baçal (Ana Maria Afonso), dois empresários (Óscar Gonçalves e José Amaral) e Clarisse Pais, foi discutida a importância da Biblioteca Digital do IPB e como poderão as empresas e instituições regionais beneficiar da produção científica disponibilizada em acesso aberto. O IPB foi confrontado com ideias interessantes para o desenvolvimento de novos serviços associados à Biblioteca Digital do IPB.IMG_6335

Tendo em conta as excelentes intervenções e a importância para toda a comunidade científica, este Seminário foi notável e contou com uma assistência de docentes, investigadores, funcionários do IPB e elementos da comunidade local.

Considerando a experiência do IPB, as políticas da Comissão Europeia, a Política de Acesso Aberto da FCT e as Diretrizes para Políticas de Acesso Aberto para instituições que realizam investigação científica, do projeto PASTEUR4OA, o IPB entendeu atualizar a política de Acesso Aberto para as publicações científicas produzidas na comunidade académica. A nova Política, foi assinada no início da sessão de abertura e pode ser consultada em: http://www.ipb.pt/go/i090

Sendo hoje a Biblioteca Digital do IPB um manifesto caso de sucesso e uma referência no contexto nacional e internacional, pretende-se agora abri-lo à Comunidade em Geral, aumentando a sua visibilidade junto das empresas e equacionando novas formas mais facilitadoras do acesso e disponibilização da informação contida no repositório.

Parabéns à Biblioteca Digital do IPB 🙂

Post escrito por: Clarisse Pais – Instituto Politécnico de Bragança

Repositório Científico do IPCB completa 5 anos de existência

O Repositório Científico do Instituto Politécnico de Castelo Branco (RCIPCB) completou cinco anos de existência.

Poster_RCIPCB_FINAL-page-001Foram cinco anos de grande atividade em termos de crescimento, desenvolvimento, resposta a novos desafios e, sobretudo, partilha de saberes com toda a comunidade científica.

Esta atividade traduziu-se no crescimento do Repositório, transformando-o numa ferramenta incontornável de partilha, difusão, organização e preservação da produção científica do IPCB em suporte digital.

Neste processo de criação, funcionamento e amadurecimento do RCIPCB é de destacar o contributo inestimável dos docentes e investigadores do Instituto Politécnico de Castelo Branco para o crescimento e qualidade do RCIPCB e ainda o trabalho desenvolvido por todos os colaboradores que exercem funções ou contribuem para o bom funcionamento do Repositório.

Para assinalar o evento o RCIPCB editou um póster com o resumo da performance ao longo dos seus 5 anos de vida.

Parabéns ao RCIPCB!

Repositório Científico do ISMAI integra o Portal RCAAP

 

ISMAI

No âmbito da candidatura à oitava CALL, que decorreu no último trimestre de 2013, para apresentação de candidaturas à criação de um repositório institucional em regime de SARI (Serviço de Alojamento de RepositórioInstitucional) do RCAAP (Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal), o Repositório Científico do ISMAI passou a estar presente no portal RCAAP .

Tem por objetivo recolher, armazenar, gerir, preservar e promover a produção científica da comunidade académica do ISMAI e permitir o acesso livre ao seu texto integral, sempre que possível.

Presentemente possui 98 registos agregados no portal RCAAP.

Mais de 200.000 documentos, de recursos nacionais, no portal RCAAP

FireShot Screen Capture #014 - 'RCAAP - Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal' - www_rcaap_ptO portal RCAAP inicia o ano de 2015 com mais de 200.000 registos agregados de 83 recursos nacionais, dos quais 17 são Repositórios Locais, 28 SARI’s (Serviço de Alojamento de Repositórios Institucionais), 25 Revistas Científicas Locais e 13 SARC´s (Serviço de Alojamento de Revistas Científicas).

A pertinência destes números só se consegue com a envolvência de toda a Comunidade, quer sejam investigadores, docentes, dirigentes e gestores /técnicos. Estes números justificam, certamente, o reconhecimento e visibilidade que o projeto RCAAP detém, contribuindo em larga escala para a incrementação do Acesso Aberto em Portugal e no mundo.

Lançamos o desafio para que consultem, partilhem e questionem ainda mais o projeto RCAAP.

Queremos uma Comunidade audaz!

IPCB atribui Prémio de Mérito do Repositório Científico

Em 2012 foi criado, no Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB), pelo seu Presidente, o Professor Carlos Maia, o “Prémio de Mérito do Repositório Científico”. Este prémio visa distinguir o(a)  docente que em cada ano letivo mais contribui para o crescimento do Repositório Científico do IPCB. O prémio consiste numa distinção de mérito, sob a forma de diploma,  que é atribuída anualmente.

O prémio é entregue, normalmente, no âmbito das comemorações do aniversário do Instituto Politécnico de Castelo Branco que ocorre a 28 de outubro.

10351394_522864641149435_6703631220465602747_nEste ano o prémio de mérito foi atribuído à docente da Escola Superior Agrária de Castelo Branco, Professora Doutora Ofélia Anjos que, pelo segundo ano consecutivo, foi a docente do IPCB que mais contribuiu para o crescimento do Repositório Científico do IPCB, com mais de 100 documentos depositados, dos quais cerca de 90 em Acesso Aberto.

É precisamente esta dinâmica de exteriorização das iniciativas / eventos / notícias de cada uma das Instituições que gostaríamos de dar ao Blog do RCAAP. Pretendemos que seja da Comunidade, para a Comunidade e para todos os interessados nestas questões do Acesso Aberto pelas quais trabalhamos todos os dias.

Sintam-se audazes porque a audácia é aliada dos corajosos!!!

Saibam mais em: https://www.facebook.com/biblioteca.esacbesart?fref=ts

Como integrar Recursos no Portal RCAAP

Todos os dias sentimos necessidade de ter informação de carácter científico disponível, que nos permita pesquisar, consultar e referenciar o texto integral de artigos e outras fontes de informação científica.

Na sociedade atual, o acesso à informação e ao conhecimento é uma alavanca indispensável para o progresso do ensino e da investigação. Por isso, o acesso à informação científica necessita de estar à distância de um clique.RCAAP_logo_horizontal

É neste contexto, que o projeto RCAAP ganha particular relevância,  dado ter por missão:

– aumentar a visibilidade, acessibilidade e difusão da produção científica nacional;

– facilitar a gestão e o acesso à informação sobre a produção científica;

– integrar Portugal em iniciativas internacionais através da disponibilização de um agregador da produção académica e científica.

Assim, a integração de recursos (repositórios e/ou revistas) no portal de pesquisa obedece a alguns critérios técnicos e de gestão de metadados descritivos baseados nas diretrizes DRIVER, disponíveis no website do projeto RCAAP.

Para ambos os recursos essa integração pode ocorrer da seguinte forma:

revistas

  Revistas:

A integração é realizada através da adoção de uma plataforma própria que cumpra com os requisitos técnicos, ou através da utilização de um sistema de gestão de revistas, o Open Journal Systems (OJS). Poderão ainda realizar uma candidatura ao Serviço de Alojamento de Revistas Científicas, denominado de SARC.

Para a utilização da plataforma OJS, foi desenvolvido um tutorial para facilitar o cumprimento das regras.

 

  Repositórios:Repositórios

A integração ocorre se a instituição já possuir um repositório institucional, sendo apenas necessário ajustá-lo às diretrizes DRIVER. Não tendo repositório, qualquer instituição pública ou privada do ensino científico nacional, pode utilizar o Repositório Comum para arquivar e tornar acessível a própria produção científica num ambiente partilhado com outras instituições. Qualquer repositório poderá ainda candidatar-se ao Serviço de Alojamento de Repositórios Institucionais, denominado de SARI.

Para ambos os serviços de alojamento, SARC e SARI, abrem periodicamente candidaturas, estando previstas novas chamadas para o início do próximo ano, sendo sempre divulgadas no Website, no Facebook  e Blog do Projeto RCAAP.

A disponibilização da produção científica em acesso aberto tem um impacto indiscutível no acesso à produção científica. No caso do Portal RCAAP, além dos conhecidos motores de pesquisa como o Google, é usual ser um dos principais fornecedores de visitas aos recursos, quer sejam repositórios ou revistas.

 

Nova Política no Repositório Científico do Instituto Politécnico de Castelo Branco

Foi republicada uma nova política de depósito de documentos do Repositório Científico do Instituto Politécnico de Castelo Branco.

O decreto-lei n.º 115/2013 de 7 de agosto procede à terceira alteração ao Decreto-Lei n.º 74/2006, que aprova o regime jurídico dos graus e diplomas do ensino superior. Este decreto, no seu artigo 50.º, veio provocar algumas mudanças no tratamento a dar às teses de doutoramento, a outros trabalhos equivalentes e às dissertações de mestrado, pelas instituições de ensino superior. No caso das teses de mestrado, deixou de ser obrigatório o envio dos respetivos exemplares para o Depósito Legal e para a Direção Geral de Estatísticas da Educação e Ciência. Em contrapartida, passou a ser obrigatório o depósito de uma cópia digital destes trabalhos, num repositório integrante da rede do Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal (RCAAP), operado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, I.P.

RIPCB

No sentido de adequar a Política de Depósito de Documentos do Repositório Científico do Instituto Politécnico de Castelo Branco (RCIPCB) à nova realidade legislativa e de promover a sua aplicação integral no Instituto Politécnico de Castelo Branco, efetuaram-se as necessárias alterações ao n.º 3 do seu Artigo 2.º, tendo a nova redação sido aprovada, e promulgada a respetiva republicação pelo Presidente do IPCB, Professor Carlos Maia, através do despacho n.º 115/2013 de 8 de novembro.

A Política de Depósito de Documentos do RCIPCB pode ser consultada em http://rcaap.ipcb.pt/PDD_%20RCIPCB_V2.pdf

Maria Eduarda Pereira Rodrigues

Nova Call para Criação de Repositório Institucional (SARI)

Informam-se todas as instituições do sistema científico e de ensino superior nacional que, de 4 de Outubro a 28 de Outubro de 2013, se encontra aberta a oitava CALL para apresentação de candidaturas para a criação de repositório institucional em regime de SARI (Serviço de Alojamento de Repositório Institucional) do RCAAP (Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal).

Consulte toda a informação no website do projeto: http://projeto.rcaap.pt/index.php/lang-pt/noticias/171-call-8-sari