Nova Política no Repositório Científico do Instituto Politécnico de Castelo Branco

Foi republicada uma nova política de depósito de documentos do Repositório Científico do Instituto Politécnico de Castelo Branco.

O decreto-lei n.º 115/2013 de 7 de agosto procede à terceira alteração ao Decreto-Lei n.º 74/2006, que aprova o regime jurídico dos graus e diplomas do ensino superior. Este decreto, no seu artigo 50.º, veio provocar algumas mudanças no tratamento a dar às teses de doutoramento, a outros trabalhos equivalentes e às dissertações de mestrado, pelas instituições de ensino superior. No caso das teses de mestrado, deixou de ser obrigatório o envio dos respetivos exemplares para o Depósito Legal e para a Direção Geral de Estatísticas da Educação e Ciência. Em contrapartida, passou a ser obrigatório o depósito de uma cópia digital destes trabalhos, num repositório integrante da rede do Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal (RCAAP), operado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, I.P.

RIPCB

No sentido de adequar a Política de Depósito de Documentos do Repositório Científico do Instituto Politécnico de Castelo Branco (RCIPCB) à nova realidade legislativa e de promover a sua aplicação integral no Instituto Politécnico de Castelo Branco, efetuaram-se as necessárias alterações ao n.º 3 do seu Artigo 2.º, tendo a nova redação sido aprovada, e promulgada a respetiva republicação pelo Presidente do IPCB, Professor Carlos Maia, através do despacho n.º 115/2013 de 8 de novembro.

A Política de Depósito de Documentos do RCIPCB pode ser consultada em http://rcaap.ipcb.pt/PDD_%20RCIPCB_V2.pdf

Maria Eduarda Pereira Rodrigues

Anúncios

III Conferência do RCIPCB sobre o Livre Acessoa ao Conhecimento

Realizou-se no dia 18 de Janeiro, por ocasião do aniversário da apresentação oficial do Repositório Científico do Instituto Politécnico de Castelo Branco (RCIPCB), a III Conferência do RCIPCB sobre o Livre Acesso ao Conhecimento, tendo por tema “O desafio da publicação em meio científico”.

ripcb

Foram apresentadas as seguintes comunicações:

Porque publicam os docentes? / Maria do Carmo Horta Monteiro (ESA-IPCB/CERNAS)

O prestígio e a visibilidade das revistas científicas: o que importa saber / Diana Silva (Univ. Aveiro)

O Repositório: imagem de marca e objeto de aprendizagem em meio digital / Ernesto Candeias Martins (ESE-IPCB)

O livre acesso – ponto de encontro científico /Maria Teresa Durães Albuquerque (EST-IPCB)

O RCIPCB no contexto organizacional: ponto de situação / Maria Eduarda Pereira Rodrigues (ESA/ESART-IPCB; RCIPCB); António Moitinho Rodrigues (ESA-IPCB/CERNAS).

 ipbc_banner

A conferência decorreu no Auditório Comenius do Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) e contou com um elevado número de participantes entre docentes/ investigadores e estudantes do IPCB e vários outros participantes externos à instituição.

 

 

IPCB distingue docente no âmbito do Repositório Científico

No âmbito das comemorações do 32º aniversário do Instituto Politécnico de Castelo Branco, que tiveram lugar no passado dia 31 de outubro de 2012, procedeu-se à entrega do prémio Repositório Científico do IPCB. O prémio, que foi entregue pela primeira vez, tem como objetivo distinguir o docente que mais contribuiu, no ano letivo anterior, para o crescimento do Repositório Científico, através do número de obras depositadas. Este ano a distinção foi entregue ao Professor Doutor Ernesto Candeias Martins, docente da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Castelo Branco.

Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca Apresentou a sua Política de Autoarquivo

No âmbito da semana internacional do Acesso Aberto, o Centro de Documentação e Informação do Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca, EPE, realizou uma sessão de divulgação sobre a sua política de autoarquivo, recentemente aprovada.

Com esta política, todas as produções científicas produzidas pelos profissionais da instituição devem ser obrigatoriamente referenciadas no seu repositório institucional: http://repositorio.hff.min-saude.pt/

Política de Depósito no Repositório Institucional da Universidade Fernando Pessoa

A Universidade Fernando Pessoa aprovou a política de depósito aplicável à sua produção científica e académica. A política abrange as publicações científicas com revisão por pares (artigos de revistas, atas e outras publicações), como trabalhos de conclusão de graduação, dissertações de mestrado, teses de doutoramento e outras obras resultantes do desempenho das atividades dos seus intervenientes na Universidade. Através desta Política a Universidade Fernando Pessoa pretende divulgar, permitir e aperfeiçoar o acesso aberto à produção científica produzida pela sua comunidade académica, promovendo a integração, partilha e a visibilidade da informação científica e garantir a preservação da sua memória intelectual.

A adoção desta política eleva para cinco o número de políticas adotadas durante o ano de 2012 e para 15 o número de políticas a nível nacional. O Repositório da UFP, alojado no âmbito do serviço SARI do RCAAP, está disponível em: http://bdigital.ufp.pt/.

Política de Auto Arquivo do ISPA

O Reitor do ISPA – Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida aprovou, através do RG068 (regulamento  –  Depósito de Documentos no Repositório Científico, de 26 de Março de 2012), a política de Auto Arquivo da produção científica neste estabelecimento de ensino superior.

Segundo o despacho a medida “visa divulgar a produção científica do ISPA de forma livre e gratuita […] partilhar o conhecimento científico e técnico alcançado, contribuindo para a geração de novos conhecimentos; aumentar o impacto da produção científica no meio académico e de investigação; aumentar a visibilidade dos resultados da investigação e contribuir para o reforço da imagem do ISPA enquanto entidade produtora de ciência e geradora de conhecimento científico.”

A adoção desta política eleva para quatro o número de políticas adotadas durante o ano de 2012 e para 14 o número de políticas a nível nacional. O Repositório do ISPA, alojado no âmbito do serviço SARI do RCAAP, está disponível em: http://repositorio.ispa.pt/.

MedOANet Press Release (PT)

Image

10 de Abril de 2012

Versão original da Press Release publicada no CORDIS Wire.

MedOANet – políticas de Acesso Aberto coordenadas na Europa Mediterrânea

A coordenação das estratégias, políticas e estruturas nacionais e regionais de Acesso Aberto nos seis países do Mediterrâneo – Grécia, Itália, França, Espanha, Portugal e Turquia – é o principal objetivo do MedOANet (Mediterranean Open Access Network), um projeto de dois anos financiado pelo 7º Programa-Quadro da Comissão Europeia, no âmbito do programa Ciência e Sociedade.

Para esse propósito o projeto pretende fortalecer, expandir e sistematizar as atividades da rede já existente de parceiros dos países Europeus do Mediterrâneo. O consórcio MedOANet engloba nove países: Grécia, Itália, França, Espanha, Portugal, Turquia, Alemanha, Holanda e Reino Unido, estes dois últimos com uma experiência significativa em questões do Acesso Aberto.

O projeto MedOANet irá identificar estratégias, estruturas e políticas nos seis países do Mediterrâneo através da realização de questionários cujos resultados serão mapeados num sistema online, designado por ‘Mediterranean Open Access Tracker’, disponibilizado no portal do projeto recentemente lançado (www.medoanet.eu). Esta importante ferramenta será concebida como uma base de dados online, expansível e interoperável com o potencial de se tornar um observatório virtual de Acesso Aberto autossustentado dos países do Mediterrâneo, assim como dos países circundantes.
Com mais relevo, o MedOANet irá identificar e envolver de forma sistemática decisores políticos relevantes e outros parceiros interessados com capacidade de promover a mudança. Este esforço irá resultar num aumento da sensibilização para as questões chave que exigem ação a nível político, e irá promover as condições para o desenvolvimento de políticas coordenadas a nível nacional e institucional atualmente inexistentes na maioria destes países do Mediterrâneo. Serão formados Grupos de Trabalho em cada um dos seis países e serão realizados workshops nacionais que irão servir como fóruns de discussão sobre as linhas de ação de cada país de um modo coordenado. Um workshop Europeu reunirá decisores políticos dos seis países e outros especialistas europeus e contribuirá para uma coordenação regional. O MedOANet irá produzir diretrizes para a implementação de políticas de acesso aberto dirigidas aos principais decisores políticos. Estas diretrizes serão apresentadas e discutidas numa Conferência Europeia que se realizará no final do projeto.

Serão desenvolvidas ao longo do projeto redes estratégicas com outros projetos e outras iniciativas internacionais pertinentes que incidam no acesso aberto à investigação científica tendo em vista a maximização dos resultados do projeto.

Sítio Web: www.medoanet.eu

Parceiros:
• EKT/NHRF www.ekt.gr
Centro de Documentação Nacional, National Hellenic Research Foundation, Grécia
• FECYT www.fecyt.es
Fundacion Espanola para la Ciencia y la Tecnologia, Espanha
• UMinho www.uminho.pt
Universidade do Minho, Portugal
• CNRS www.cnrs.fr
Centre National de la Recherche Scientifique, França
• CASPUR www.caspur.it
Consorzio Interuniversitario per le Applicazione di Supercalcolo per Università e Ricerca, Itália
• Hacettepe Üniversitesi, www.hun.edu.tr, Turquia
• ENCES www.ences.eu
European Network for Copyright in Support of Education and Science, Alemanha
• STICHTING LIBER www.libereurope.eu, Holanda
• University of Nottingham www.nottingham.ac.uk, Reino Unido

Coordenação do Projeto:

Victoria Tsoukala, tsoukala@ekt.gr, EKT/NHRF
National Documentation Centre/National Hellenic Research Foundation
48 Vasileos Constantinou Avenue
11635 Athens
Greece
Tel: 0030 210 7273947
Fax: 0030 210 7246824
www.ekt.gr

Contacto em Portugal:

Eloy Rodrigues, eloy@sdum.uminho.pt
Universidade do Minho – Serviços de Documentação
Campus de Gualtar
4710-057 Braga
Portugal
Tel: 00351 253 604 150
Fax: 00351 253 604 159
www.sdum.uminho.pt

Política de Auto-Arquivo do Instituto Politécnico de Viseu

O presidente do Instituto Politécnico de Viseu aprovou, através do despacho 6-2012, a política de Auto arquivo da produção científica neste estabelecimento de ensino superior.

Segundo o despacho a medida “tem em conta o interesse estratégico do Instituto Politécnico em procurar afirmar-se como uma instituição de referência e vanguarda neste domínio, e no seguimento da criação do Repositório do IPV, considera-se também necessário uma política de arquivo sobre a produção científica dos seus investigadores, docentes e discentes, no sentido de a tornar efetiva e a garantir assim o seu cumprimento generalizado.”

A adoção desta política eleva para 3 o número de políticas adotadas durante o ano de 2012 e para 13 o número de políticas a nível nacional. O Repositório do Instituto Politécnico de Viseu, alojado no âmbito do serviço SARI, está disponível em: http://repositorio.ipv.pt.

Política de Depósito da Universidade do Algarve

sapientia O repositório da Universidade do Algarve (UAlg), SAPIENTIA, viu a sua política de depósito aprovada pelo Despacho RT.020/2012. O Reitor, Professor João Guerreiro, consignou que os docentes e investigadores da UAlg terão de depositar no SAPIENTIA as publicações e documentos resultantes da sua atividade científica, de que sejam autores ou co-autores, para disponibilização em acesso livre. A definição da política de depósito de documentos é determinante para o crescimento deste repositório institucional, que se espera, venha a dar um contributo significativo na divulgação da produção científica da Universidade. Esta medida inscreve-se ainda no quadro do apoio institucional que as universidades portuguesas têm manifestado para com o open access, enquanto movimento facilitador da comunicação científica.

RCIPCB CELEBRA 2.º ANIVERSÁRIO E APROVA A POLÍTICA DE DEPÓSITO DE DOCUMENTOS

O Repositório Científico do Instituto Politécnico de Castelo Branco celebrou, no dia 18 de Janeiro de 2012, o 2.º aniversário da sua apresentação pública oficial. Consagrando a importância institucional do mesmo, o RCIPCB viu aprovada e publicada, simbolicamente nesta data, a sua Política de Depósito de Documentos, promulgada através de Despacho do Presidente da instituição, Professor Coordenador Carlos Maia.

Apesar do crescimento contínuo que o RCIPCB registou desde a sua criação, ultrapassando nestes dois anos, os objectivos traçados em termos de crescimento, crê-se que a política institucional de depósito contribuirá para aumentar o âmbito do crescimento do repositório e, bem assim, tornar este crescimento mais homogéneo, do ponto de vista das comunidades.

A Política de Depósito de Documentos no RCIPCB pode ser consultada em http://rcaap.ipcb.pt/POLITICA_MANDATORIA_FINAL.pdf

Parabéns ao RCIPCB por mais este passo na sua consolidação.

M.E.R.