LEMBRETE: ConfOA 2018 – chamada de trabalhos

Recordamos que termina já no próximo dia 09 de abril o prazo para submissão de trabalhos para a 9ª Conferência Luso-Brasileira de Acesso Aberto (ConfOA), que este ano se irá realizar nos dias 2 e 3 de outubro (com workshops pós-conferência previstos para 4 de outubro), no campus do ISCTE-IUL, em Lisboa.

Assim, convidamos a comunidade a apresentar propostas de trabalhos sobre os seguintes temas:

  • Acesso Aberto e Dados de Investigação Abertos: sistemas, políticas e práticas
    • Repositórios digitais – institucionais, temáticos, de dados de investigação ou de património cultural
    • Revistas científicas de Acesso Aberto e tendências na comunicação e divulgação científica
    • Publicação institucional em Acesso Aberto
    • Definição, análise e avaliação de políticas institucionais e de financiadores
    • Modelos e padrões de metadados
    • Preservação Digital
    • Direitos de autor e Acesso Aberto
  • Ciência Aberta e outras expressões de conhecimento aberto
    • Ética, Integridade da Investigação e RRI (Responsible Research and Innovation /Investigação e Inovação Responsáveis)
    • Modelos tradicionais e alternativos de avaliação da Ciência (bibliometria e métricas alternativas)
    • Ciência cidadã
    • Dados governamentais abertos
    • Desenvolvimento e comunidades de software livre para a promoção do Acesso Aberto e da Ciência Aberta
    • Outras práticas de conhecimento aberto (educação aberta)
  • Gestão de informação de Ciência e Tecnologia
    • CRIS – Sistemas de Gestão de informação de Ciência e Tecnologia
    • Interoperabilidade entre sistemas de informação de apoio à atividade científica e académica
    • Normas e diretrizes
    • Identificadores persistentes

Acolheremos propostas sobre estes temas, bem como outros temas relacionados com os aspetos políticos, sociais, organizativos ou técnicos relacionados com o Acesso Aberto e a Ciência Aberta.

O processo de apresentação e modelos das propostas estão disponíveis para consulta e download no website da ConfOA.

Aguardamos pela submissão dos vossos trabalhos: http://confoa.rcaap.pt/2018/submissoes-on-line/

Anúncios

Modelos, Políticas e Custos de Acesso Aberto

A FCT publicou um estudo sobre Modelos, Políticas e Custos de Acesso Aberto, no âmbito da implementação da Política Nacional de Ciência Aberta. Este estudo está disponível desde fevereiro nas páginas de Acesso Aberto da FCT e na página da Ciência Aberta.

A variedade de interpretações e níveis de implementação das políticas de Acesso Aberto, bem como o volume de literatura sobre o tema, refletem o desafio e a complexidade de tornar aberto o acesso à produção científica financiada pelo Estado.

Este estudo vem colmatar a falta de um documento de base, em português, sobre a evolução do sistema de publicação científico que se tem tornado crescentemente complexo, e que identifica a variedade, características e implicações financeiras dos novos modelos de negócio criados em torno do Acesso Aberto, bem como ilustra a existência de um conjunto de políticas de Acesso Aberto, desde o nível institucional até ao Europeu, que contribuem para um quadro complexo e divergente.

O documento, organizado em 5 secções, começa com (1) a caracterização a evolução da comunicação académica e (2) dos atuais modelos de publicação, (3) faz uma análise e comparação de políticas de Acesso Aberto, (4) apresenta uma previsão de custo potencial a nível nacional para aceder aos artigos de revistas científicas, e 5) conclui com um conjunto de recomendações com vista à melhoria das condições de acesso à informação científica.

Post escrito por: Inês Lopes da Fonseca – Gabinete de Estudos & Estratégia – FCT

9ª Conferência Luso-Brasileira de Acesso Aberto – chamada de trabalhos

A 9ª Conferência-Luso Brasileira de Acesso Aberto (ConfOA) regressa a Lisboa em 2018. Este ano, a instituição que irá acolher a 9ª ConfOA é o ISCTE-IUL, uma prestigiada instituição universitária portuguesa, com uma já longa atividade no domínio do Acesso Aberto. A 9º Conferência-Luso Brasileira de Acesso Aberto realiza-se nos dias 2 e 3 de outubro (com workshops pós-conferência previstos para 4 de outubro), no campus do ISCTE-IUL no centro de Lisboa.

Mantendo o tema da ConfOA anterior “Do Acesso Aberto à Ciência Aberta”, a 9ª ConfOA pretende consolidar o alargamento do âmbito da Conferência, considerando o Acesso Aberto como um componente central, e uma condição indispensável, da Ciência Aberta, que abrange várias outras dimensões. A ConfOA pretende reunir as comunidades portuguesa, brasileira, bem como dos restantes países lusófonos, que desenvolvem atividades de investigação, desenvolvimento, gestão de serviços e definição de políticas relacionadas com o Acesso Aberto ao conhecimento e com todas as outras vertentes da ciência aberta. A ConfOA assume-se como o espaço privilegiado para promover a partilha, discussão e divulgação de conhecimentos, práticas e investigação sobre estas temáticas, em todas as suas dimensões e perspetivas.

Assim, convidamos a comunidade a apresentar propostas de trabalhos sobre os seguintes temas:

  • Acesso Aberto e Dados de Investigação Abertos: sistemas, políticas e práticas
    • Repositórios digitais – institucionais, temáticos, de dados de investigação ou de património cultural
    • Revistas científicas de Acesso Aberto e tendências na comunicação e divulgação científica
    • Publicação institucional em Acesso Aberto
    • Definição, análise e avaliação de políticas institucionais e de financiadores
    • Modelos e padrões de metadados
    • Preservação Digital
    • Direitos de autor e Acesso Aberto
  • Ciência Aberta e outras expressões de conhecimento aberto
    • Ética, Integridade da Investigação e RRI (Responsible Research and Innovation /Investigação e Inovação Responsáveis)
    • Modelos tradicionais e alternativos de avaliação da Ciência (bibliometria e métricas alternativas)
    • Ciência cidadã
    • Dados governamentais abertos
    • Desenvolvimento e comunidades de software livre para a promoção do Acesso Aberto e da Ciência Aberta
    • Outras práticas de conhecimento aberto (educação aberta)
  • Gestão de informação de Ciência e Tecnologia
    • CRIS – Sistemas de Gestão de informação de Ciência e Tecnologia
    • Interoperabilidade entre sistemas de informação de apoio à atividade científica e académica
    • Normas e diretrizes
    • Identificadores persistentes

Acolheremos propostas sobre estes temas, bem como outros temas relacionados com os aspetos políticos, sociais, organizativos ou técnicos relacionados com o Acesso Aberto e a Ciência Aberta.

Processo de apresentação de propostas

Comunicações (Apresentação oral de 15 minutos)

As propostas para comunicação devem ter um mínimo de 2 páginas e um máximo de 4 páginas (ver e utilizar o modelo de proposta de comunicação). As propostas devem apresentar investigação ou desenvolvimento originais, privilegiando-se os trabalhos que relatem casos gerais (ou seja relativos a mais do que uma instituição ou sistema) e/ou que tenham relevância para uma audiência alargada.

As propostas com qualidade e relevância que não possam ser aceites como comunicações, poderão ser consideradas para apresentação como Pecha Kucha ou Póster.

Pecha Kuchas

Os Pecha Kucha são apresentações de 7 minutos, com não mais de 24 slides. As propostas deverão ter um mínimo de 1 página e um máximo de 2 páginas (ver e utilizar o modelo de proposta de Pecha Kucha). As propostas de Pecha Kucha podem apresentar trabalhos de investigação e desenvolvimento recentes ou em conclusão, e eventualmente casos concretos e localizados, mas com interesse e relevância geral.

As propostas com qualidade e relevância que não possam ser aceites como Pecha Kucha poderão ser consideradas para apresentação como Póster.

Painéis

As propostas de painel deverão ter um mínimo de 1 página e um máximo de 2 páginas (ver e utilizar o modelo de proposta de painel). As sessões de painel devem versar sobre temas e assuntos (das tecnologias às políticas) que tenham potencial interesse para a maioria dos participantes na ConfOA. Os painéis devem incluir diversos participantes como apresentadores (e desejavelmente com diversidade de pontos de vista, contextos, etc.). O painel deve prever tempo para pequenas apresentações dos integrantes do painel, e tempo para discussão com a audiência. O tempo total do painel será de 90 minutos.

Pósteres

Convidamos a apresentação de propostas de pósteres, que devem ter 1 página (ver e utilizar o modelo de proposta de póster), que servem para apresentar trabalho ainda em desenvolvimento ou experiências locais. Os pósteres serão exibidos em formato papel ou formato digital (serão dadas indicações e instruções para a apresentação dos pósteres após a aceitação das propostas), e serão apresentados oralmente na sessão “O meu Póster num minuto”.

Workshops e Tutoriais

O último dia da ConfOA será dedicado à realização de workshops e tutoriais.
Convidamos a apresentação de propostas de workshops e tutoriais sobre aspetos práticos ou teóricos relacionados com os temas da conferência. Deve ser utilizado o modelo de proposta de workshop ou tutorial, e a proposta de tutorial deve contemplar os seguintes aspetos:

  • O assunto e que conhecimentos se pretende transmitir
  • A dimensão da sessão (90 minutos, 180 minutos, ou dia completo)
  • O público-alvo e o número desejado de participantes
  • Os resultados de aprendizagem para os participantes
  • Requisitos tecnológicos e de espaço

 

Datas importantes:

10 de janeiro 2018: Chamada de trabalhos

09 de abril 2018: Fim do prazo para apresentação de propostas

15 de junho 2018: Notificação da aceitação das propostas

DMPonline ajuda a elaborar planos de gestão de dados

Um crescente número de organismos de financiamento de ciência e instituições de investigação têm vindo a adotar políticas relativas à gestão e partilha dos dados produzidos no âmbito de projetos de investigação. A elaboração de um Plano de Gestão de Dados (PGD) tem-se por isso tornado um requisito comum.

Os planos de gestão de dados de investigação especificam os diferentes aspetos da criação dos dados, do armazenamento, das cópias de segurança, da documentação e descrição, do arquivo e preservação e ainda da abertura e licenciamento de dados. O PGD é um documento vivo que descreve como os dados produzidos e recolhidos são tratados durante e após um projeto de investigação, identificando como é que serão criados e documentados, quem poderá aceder aos mesmos, como reutilizá-los e onde serão armazenados e preservados.

 A Comissão Europeia (CE), no quadro das políticas de Ciência Aberta, definiu para o programa Horizonte 2020 (H2020) uma política de dados abertos que visa melhorar e maximizar o acesso e a reutilização dos dados de investigação gerados pelos projetos que financia. Os requisitos da CE estabelecem que os investigadores devem realizar o depósito dos dados de investigação, incluindo metadados associados, necessários para validar os resultados apresentados em publicações científicas. Sublinham ainda a necessidade de definição de planos para a gestão dos dados produzidos que devem ser apresentados nos primeiros seis meses do projeto.

Como fazer um plano?

A ferramenta DMPonline disponibiliza um modelo parametrizado segundo os requisitos dos Dados Abertos de Investigação do Programa H2020. Tem também grande utilidade para a elaboração de planos de gestão de dados para outros financiadores ou no âmbito de projetos de investigação.

A DMPonline foi criada pelo Digital Curation Centre (DCC) do Reino Unido, e desenvolvida em colaboração com o Curation Center da Universidade da Califórnia (UC3), seguindo a informação de apoio facultada pela aplicação e tendo como referência os modelos de planos disponibilizados para diferentes financiadores de ciência e inovação.

A informação disponibilizada na infraestrutura OpenAIRE para cumprimento dos requisitos dos Dados Abertos de Investigação no H2020 está disponível, e é possível aceder aos vários recursos que o portal FOSTER – Facilitate Open Science Training for European Research faculta. Consulte os diferentes exemplos de Planos de Gestão de Dados  disponibilizados no site do DCC.

Saiba mais:

https://www.openaire.eu/opendatapilot-dmp

http://www.dcc.ac.uk/resources/data-management-plans/guidance-examples

http://mantra.edina.ac.uk/datamanagementplans  

http://ec.europa.eu/research/participants/data/ref/h2020/grants_manual/hi/oa_pilot/h2020-hi-oa-data-mgt_en.pdf

Zenodo: um repositório de dados e publicações para todos

O ZENODO – www.zenodo.orgé um repositório digital multidisciplinar de Acesso Aberto que permite a que investigadores, projetos e instituições, que não disponham de um repositório institucional ou temático adequado, o possam partilhar e disseminar os seus resultados científicos, de qualquer área de conhecimento.

É desenvolvido no CERN – European Organization for Nuclear Research – como um serviço da infraestrutura OpenAIRE, e permite o carregamento de ficheiros até 50 GB, em qualquer formato e com atribuição de uma licença associada.

As principais características deste repositório são:

  • Pesquisa e Partilha – todos os resultados de investigação, em todas as áreas, são bem-vindos;
  • Citável – os uploads obtêm um identificador de objeto digital (DOI) para torná-los facilmente e exclusivamente citáveis;
  • Comunidades – crie e faça a curadoria da sua própria comunidade onde poderá integrar trabalhos resultantes de conferências, projetos, entre outros, e na qual poderá aceitar ou rejeitar uploads. Terá Poderá ter o seu próprio repositório digital;
  • Financiamento – identificação de patrocínios / subsídios para pesquisas financiadas pela Comissão Europeia, através do OpenAIRE;
  • Licenciamento flexível – nem tudo tem a cobertura das licenças Creative Commons;
  • Seguro – o resultado da investigação é armazenado de forma segura na mesma infraestrutura que os dados do próprio CERN.

O Zenodo é construído pela Ciência e  para a Ciência, com o objetivo de garantir que todos participam na Ciência Aberta!

Leia mais sobre o Zenodo e os seus recursos aqui!

Saiba mais em:

http://about.zenodo.org/

https://zenodo.org/record/8428#.WWY9IBXyvIU

https://blogs.openaire.eu/?p=1485

https://www.datacite.org/cite-your-data.html

https://www.nature.com/sdata/policies/repositories

ConfOA 2017: apresentações e vídeos já disponíveis

Encontram-se já disponíveis as apresentações e os vídeos da 8ª Conferência Luso Brasileira de Acesso Aberto, evento que se realizou na Fiocruz – Fundação Oswaldo Cruz, em parceria com a FCCN, os Serviços de Documentação da Universidade do Minho e o IBICT, nos dias 4, 5 e 6 de outubro de 2017.

À semelhança do que tem vindo a acontecer, a edição deste ano superou as expectativas:

  • Apresentações:
    • 7 Comunicações
    • 36 Pechas Kuchas
    • 50 Pósteres
  • Participantes:
    • 275 participantes
    • 47 participantes no Workshop Gestão de Repositórios Integrados
    • 38 participantes np Workshop Gestão de Dados de Pesquisa: os princípios FAIR e as estratégias institucionais
  • Redes Sociais:
    • 22.207 alcance geral
    • 5604 pessoas alcançadas pelos vídeos
    • 620 visualizações na página
    • 1645 likes na página do Facebook da Conferência.
  • Trasnmissão:
    • 510 acessos, divididos por 20 estados do Brasil e 6 países.

Destaca-se também a abrangência dos temas abordados, sem descurar o histórico temático da conferência, ampliando-se o escopo do Acesso Aberto à Ciência Aberta.

A 8ª Conferência Luso-Brasileira de Acesso Aberto reuniu as comunidades portuguesa e brasileira que desenvolvem atividades de investigação, desenvolvimento, gestão de serviços e definição de políticas, relacionadas com o acesso aberto ao conhecimento, através de repositórios e de revistas de acesso livre.

A próxima ConfOA terá lugar no ISCTE-IUL, em Lisboa, nos dias 2, 3 e 4 de outubro de 2018.

MCTES, em articulação com o MC, pretende criar um Diretório de Repositórios Digitais

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, em articulação com o Ministério da Cultura, está a criar um Diretório de Repositórios Digitais (DRD).

rdcO DRD (http://repositorios-conhecimento.pt) é uma infraestrutura digital criada com o propósito de identificar e constituir um referencial de acesso aos repositórios digitais de Portugal nas áreas da Ciência e da Cultura, no sentido de divulgar e estimular a utilização dos repositórios digitais, bem como promover a normalização técnica e práticas de preservação digital.

Esta iniciativa reflete a política do governo no sentido da valorização da produção científica nacional, da promoção do conhecimento e da criação de condições para a sua partilha, a preocupação no sentido do reforço da responsabilidade cultural e patrimonial, em articulação com o enunciado conducente à adoção de uma política nacional de ciência aberta (http://www.ciencia-aberta.pt/pnca), contemplando a promoção e a difusão da cultura científica e tecnológica e a cooperação internacional, nomeadamente com os países de língua oficial portuguesa.

A primeira fase deste projeto – identificação e caracterização dos repositórios digitais pertencentes a instituições de ciência e cultura – decorre até 30 de janeiro, estando disponível um formulário para recolha de dados.

Qualquer pedido de esclarecimento deverá ser enviado para repositorios-conhecimento@mctes.gov.pt

Post escrito por: Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Ciência Aberta: website já disponível

No âmbito da Semana Internacional do Acesso Aberto, é disponibilizada publicamente a página Ciência Aberta http://www.ciencia-aberta.pt/que reúne informação, iniciativas e conteúdos formativos.

Tem como público-alvo todos os agentes envolvidos no sistema científico nacional e a sociedade em geral. Na lógica dos princípios da Ciência Aberta este é um projeto colaborativo, em desenvolvimento, feito para a comunidade e com a comunidade.

ciencaia-berta