About Pedro Príncipe

Profissional da informação, bibliotecas, documentação, e comunicação. Actualmente nos Serviços de documentação da Universidade do Minho a trabalhar como gestor de projectos de Open Access. Formador de TIC. Vivo com paixão!

2ª Conferência Luso-Brasileira sobre Acesso Aberto promoveu mais e novos desenvolvimentos Open Access em Portugal e no Brasil

Decorreu nos dias 24 e 25 do passado mês de Novembro no Rio de Janeiro, a 2ª Conferência Luso-Brasileira sobre Acesso Aberto que contou com a participação de mais de 120 participantes e com a apresentação de 35 comunicações e 17 posters. O evento foi antecedido com a realização de três oficinas pré-conferência dirigidas pela equipa dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho e dedicadas a três áreas de formação no domínio dos repositórios: 1ª) Interoperabilidade, normas, diretrizes e qualidade dos repositórios (com a colaboração de Alicia Lopez Medina da COAR), 2ª) Promoção, disseminação e marketing de repositórios institucionais, 3ª) Definição, implementação e monitoramento de políticas institucionais de Acesso Aberto.

O evento iniciado com a mensagem de abertura de Pedro Veiga, Presidente da FCCN e de Maria Carmen Romcy de Carvalho, IBICT, teve o seu primeiro momento significativo com a mesa redonda dedicada ao debate das “Políticas de Acesso Aberto”, com intervenções de Angélica Miranda da Universidade Federal do Rio Grande e de Eloy Rodrigues da Universidade do Minho, mais tarde complementadas com a mensagem vídeo de Alma Swan, da EnablingOpenScholarship (EOS), enviada propositadamente para a Conferência, onde ficou bem clara e reforçada pela intervenção de vários dos participantes, a necessidade do aprofundamento das políticas de acesso aberto como componentes estratégicas das Universidades e Instituições de Investigação.

O evento contou com a apresentação de vinte comunicações aprovadas pela comissão científica, onde ficou patenteado o desenvolvimento de várias iniciativas Open Access nas instituições de Portugal e Brasil, com avaliação de resultados do trabalho levado a cabo no âmbito de repositórios institucionais e temáticos e igualmente de projetos ligados a publicações em livre acesso, e onde se perspetivaram iniciativas com vista ao futuro da informação, publicação e dados científicos em acesso aberto.

Os projetos apresentados e dinamizados pelo IBICT no Brasil e FCCN em Portugal (OASIS Br, DIADORIM, RCAAP, Blimunda, Diretório Luso-Brasileiro), bem como a mesa redonda dedicada às Redes de Acesso Aberto, com o contributo de Alicia López Medina – COAR e de Malgorzata Lisowska – Projeto CLARA, reforçam a necessidade das iniciativas conjuntas e a dinamização de atividades transnacionais no domínio da informação científica na Europa e América Latina, e a pertinência da própria Conferência Luso-Brasileira que reúne as comunidades brasileiras e portuguesas no desenvolvimento de atividades de pesquisa, gestão de serviços e definição de políticas relacionadas com o acesso aberto ao conhecimento científico.

O evento encerrado com a presença de Bianca Amaro, IBCIT e João Gomes, FCCN, teve as mensagens de Maria Carmen Romcy de Carvalho e Pedro Guedes de Oliveira e contou com o anúncio da próxima conferência para 2012 na Universidade Nova de Lisboa.

Uma semana para promover o acesso livre ao conhecimento: de 18 a 24 de Outubro

Arrancou esta segunda-feira, 18 de Outubro, o evento internacional “Open Access Week 2010” que conta em Portugal com a adesão de duas dezenas de instituições de investigação e ensino superior. Até dia 24 esta iniciativa propõe-se dinamizar o Acesso Livre ao Conhecimento, procurando contribuir para aumentar a visibilidade, acessibilidade e difusão online dos resultados da actividade académica e de investigação científica nacional.

Esta iniciativa constitui-se como um evento global que pretende promover a divulgação de acções e projectos no domínio do acesso livre ao conhecimento, nomeadamente a disponibilização de resultados científicos e académicos em repositórios institucionais, a publicação de revistas científicas em acesso livre e a disponibilização de recursos educativos abertos.

A informação relativa ao evento internacional está disponível em www.openaccessweek.org que, com a dimensão de uma rede social colaborativa, conta com o contributo de cerca de 1000 pessoas espalhadas pelo mundo que lá divulgam as informações e iniciativas levadas a cabo pelas diferentes instituições, organizações e grupos informais.
Toda a informação das iniciativas em Portugal, onde se inclui o calendário de acções a realizar e as instituições aderentes, pode ser encontrada em www.acessolivre.pt/semana. Para mais informações contacte info@rcaap.pt ou tel.218440100.

Consulte a press release divulgada.

Três novos repositórios no serviço de alojamento do RCAAP

Começam no próximo mês de Outubro os trabalhos de configuração de três novos repositórios no serviço de alojamento de repositórios institucionais (SARI).

De 24 de Agosto a 17 de Setembro decorreu o segundo período (da terceira fase do projecto) de manifestação de interesse e candidatura para criação de repositórios institucionais no Serviço de Alojamento de Repositórios Institucionais (SARI) do Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal (RCAAP).

A adesão a esta nova fase de candidaturas, que apresentava 3 vagas para integrar o serviço, foi mais uma vez muito positiva, tendo sido recebidas 6 candidaturas.

As instituições contempladas com o serviço de alojamento no âmbito do projecto RCAAP foram:

  • Instituto Politécnico de Viseu,
  • Centro Hospitalar de Lisboa Central
  • Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge

Durante o próximo mês de Outubro dão início os trabalhos de configuração destes três novos repositórios e em breve poderão integrar o RCAAP que conta já com 29 repositórios indexados.

Convite para apresentação de manifestações de interesse para participação no projecto piloto de Repositórios de Dados Científicos

Na sequência da realização do Relatório de Estado da Arte de Repositórios de Dados Científicos, está previsto o desenvolvimento de um projecto piloto de repositório(s) de dados científicos no âmbito do projecto Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal (RCAAP).

Este projecto-piloto, que assinalará o início da actividade do RCAAP neste importante domínio, pretende desenvolver alguma actividade prática na área da curadoria e partilha de dados científicos com um pequeno número de instituições e áreas científicas. Nesse sentido, convidam-se todas as entidades do sistema científico nacional (instituições de ensino superior, centros de investigação, laboratórios e outras entidades), que possuam conjuntos de dados científicos que necessitem de curadoria e estejam em condições de ser partilhados (ainda que com eventuais restrições) a apresentarem manifestações de interesse para participar no referido projecto piloto de repositório(s) de dados científicos.

As entidades que estejam interessadas em participar no projecto-piloto devem comunicar o seu interesse, até ao dia 24 de Setembro, enviando uma mensagem de correio electrónico para o endereço info@rcaap.pt, com os elementos que constam do documento de apresentação da call.

Novo período de candidaturas para criação de repositórios no Serviço de Alojamento de Repositórios Institucionais (SARI)

Informam-se todas as instituições do sistema científico e de ensino superior nacional que, de 24 de Agosto a 17 de Setembro de 2010, se encontra aberto o segundo período (da terceira fase do projecto) de manifestação de interesse e candidatura para criação de repositórios institucionais no Serviço de Alojamento de Repositórios Institucionais (SARI) do Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal (RCAAP).

O SARI destina-se a ser utilizado, gratuitamente, por qualquer das instituições do sistema científico e do ensino superior para alojamento do seu repositório com individualização de identidade corporativa própria. O SARI oferece o conjunto de serviços associados ao alojamento dos repositórios, como a gestão e manutenção da infra-estrutura (equipamentos e aplicações necessárias ao funcionamento do repositório), garantindo a sua disponibilidade e funcionalidade para as instituições, cópias de segurança dos conteúdos depositados nos repositórios, serviço de apoio (helpdesk) à utilização da infra-estrutura, etc.

A operação e manutenção da infra-estrutura é da responsabilidade da equipa do projecto RCAAP. Mas a operação e gestão de cada repositório é da responsabilidade da instituição a que está associado. Nesse sentido, no processo de adesão ao serviço SARI para além de apoio à configuração inicial, as instituições recebem também formação básica para gestores e administradores de repositórios.

As instituições que estejam interessadas em alojar os seus repositórios institucionais no serviço SARI deverão, até ao dia 17 de Setembro de 2010, comunicar esse interesse enviando uma mensagem de correio electrónico para o endereço info@rcaap.pt, com os seguintes elementos:

1 – Nome da instituição;
2 – Breve caracterização da instituição – 1 a 2 páginas com informação relevante sobre a instituição, nomeadamente: número de docentes/investigadores, dimensão aproximada da produção científica em 2009 – nº de artigos em revistas, nº de teses e dissertações, nº de comunicações em conferências, etc. -, principais áreas científicas, existência de repositório(s) ou sistema(s) de informação semelhantes na instituição, e quaisquer outros elementos considerados importantes;
3 – Identificação e contactos do responsável institucional pelo projecto de alojamento.

As manifestações de interesse serão analisadas e serão seleccionadas 4 instituições para passarem a integrar o serviço SARI. No processo de selecção serão considerados factores como o tipo, dimensão, volume da produção científica e localização geográfica, procurando-se garantir alguma diversidade nas diversas instituições seleccionadas.

Os resultados serão comunicados a todas as instituições que apresentem manifestações de interesse. As instituições que não sejam seleccionadas nesta fase ficarão desde já numa bolsa de candidatos que integrará a próxima fase de manifestações de interesse, para a selecção de mais instituições, que previsivelmente ocorrerá durante o próximo semestre.
Para qualquer informação ou esclarecimento adicional deverão contactar o projecto RCAAP através do endereço info@rcaap.pt.

Sobre o RCAAP
O projecto de criação do Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal é uma iniciativa da UMIC – Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP concretizada pela FCCN – Fundação para a Computação Científica Nacional, com o objectivo de disponibilizar mais um serviço avançado sobre a rede de investigação e de ensino nacional, a RCTS. A execução do projecto conta ainda com a participação científica e técnica da Universidade do Minho.
O RCAAP visa aumentar a visibilidade, acessibilidade e difusão dos resultados da actividade académica e de investigação científica nacional e facilitar o acesso à informação sobre a produção científica nacional em regime de “open access” bem como integrar Portugal num conjunto de iniciativas internacionais neste domínio. O Serviço de Alojamento de Repositórios Institucionais (SARI) é um dos componentes essenciais do Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal.

Construção e povoamento do repositório: experiência do Centro Hospitalar do Porto

Sempre que nos propomos realizar uma tarefa nunca sabemos o verdadeiro alcance das dificuldades que iremos encontrar. É assim em tudo na vida, e a construção e gestão do repositório não foge à regra. Antes de iniciar a nossa actividade as expectativas seriam de estarmos perante uma árdua tarefa, assim que a iniciamos verificamos que não nos enganamos, no entanto surgiram surpresas positivas. Para isso contribuiu o trabalho de pesquisa já realizado anteriormente na nossa instituição, a aplicação informática que serve de base ao repositório e a disponibilidade permanente demonstrada pela equipa do RCAAP.
Acima de tudo facilita se for elaborado um plano interno, constituindo-se uma equipa com funções definidas para cada elemento que a integra. No Centro Hospitalar do Porto (CHP) foi constituída uma equipa de 3 pessoas que se ocupam da gestão do seu repositório. Todas possuem permissão de administrador com atributos de gestão e depósito. Claro que não se dedicam a este projecto a tempo inteiro mas acumulam com as tarefas que já desempenhavam anteriormente.
Assim que a equipa do José Carvalho disponibilizou o layout do repositório a primeira tarefa do grupo foi organizá-lo em comunidades e colecções. Esta é uma das tarefas mais importantes pois constitui a base do repositório que estando bem estruturado irá, no futuro, facilitar o depósito dos documentos. Uma vez que o desenho desta estrutura interessa sobretudo à instituição, podendo constituir-se numa ferramenta adicional de monitorização da produção científica interna, foi alvo de um amplo debate dentro do Gabinete Coordenador da Investigação (GCI) do CHP. Chegado a um consenso iniciava-se a tarefa de criar a estrutura pretendida no repositório.
Foi nesta altura que surgiu a primeira surpresa positiva. A aplicação é muito intuitiva e fácil de trabalhar, mesmo para quem, como nós, apenas possui conhecimentos informáticos ao nível do utilizador. Criar as nossas comunidades e colecções constituiu-se assim uma tarefa bem mais fácil que o esperado, tanto mais que contamos com o auxílio da equipa do RCAAP que nos foi dando algumas sugestões, o que nos permitiu aperfeiçoar a estrutura.
Povoar o repositório é a tarefa em que actualmente estamos concentrados e constituirá o cerne da nossa actividade futura neste domínio. Procurar documentos científicos que estejam em condições de integrar o repositório é algo que não se realiza de ânimo leve pois implica muita pesquisa, persistência e muitas horas de empenho. Já o depósito dos documentos no repositório é simples e fácil de executar. Mais uma vez a aplicação informática revela-se “amigável”.
Tendo sido efectuado, recentemente, o levantamento dos artigos científicos publicados pelos profissionais do CHP desde 1988 estamos em condições de identificar uma boa parte dos documentos elegíveis para integrar o repositório. Este trabalho foi essencial pois permitiu-nos elaborar um plano de acção com base em dados concretos.
Nem todos os documentos estarão em condições de integrar o repositório. Depende da política sobre o auto-arquivo da editora da revista em que estão publicados. Neste domínio tem sido fundamental a consulta do Portal Sherpa Romeo, que nos tem permitido conhecer a politica de uma boa parte das revistas nas quais os nossos profissionais publicam. Num futuro próximo o projecto Blimunda virá também a constituir-se um instrumento importante, porque dará a conhecer a politica das revistas portuguesas neste domínio.
O povoamento do repositório tem sido certamente mais lento do que seria o nosso desejo, mas estamos a trabalhar, recorrendo a todas as ferramentas ao nosso dispor, para disponibilizar à comunidade científica, a partir do Portal RCAAP, um conjunto de documentos que lhe sejam úteis. Como diz a sabedoria popular “grão a grão enche a galinha o papo” e com o acumular de experiência o processo tornar-se-á seguramente mais rápido.
Actualmente, no seio das instituições de saúde, há a percepção que só poderão prestar bons cuidados às populações que servem, se dedicarem alguns dos seus esforços em actividades de I&D. Estas serão determinantes para a criação de áreas de excelência que não serão concebíveis sem um forte investimento nessas actividades dentro das instituições, com a constituição de equipas de investigação. Os repositórios institucionais serão uma ferramenta de suporte fundamental neste novo paradigma, pois permitirão tornar do domínio público a produção de cada uma delas, pelo que se prevê um desejo crescente das instituições de saúde em integrarem o projecto RCAAP.

José Manuel Pereira – Centro Hospitalar do Porto

Universidade do Porto acolheu reunião geral do RCAAP

Os Estados da arte sobre Repositórios Científicos de Dados e sobre Teses e Dissertações marcaram a última reunião geral do RCAAP, realizada dia 1 de Julho, nas instalações da Faculdade de Direito da Universidade do Porto e que contou com a presença de aproximadamente 50 pessoas representando 24 instituições nacionais.

As reuniões gerais do RCAAP são o momento privilegiado para informação, análise e avaliação do projecto, com recolha do feedback dos representantes das várias instituições aderentes. Nesta última reunião aproveitou-se para propor e receber sugestões de novas funcionalidades, nomeadamente nos domínios da recuperação de referências bibliográficas, partilha de informação nas redes sociais, consulta de registos por autor e visualização do factor de impacto e número de citações. Algumas das outras novidades apresentadas advêm das integrações Degóis – com o envio do registo bibliográfico para o currículo do autor e a consulta do currículo do autor, e da cooperação luso-brasileira – com a inclusão da produção científica brasileira, a criação de colecção de teses & dissertações e a ligação ao directório luso-brasileiro.
A reunião dedicou especial atenção ao ponto da situação do projecto RCAAP, mas também se centrou nos desenvolvimentos do Open Access e parcerias em curso, com destaque para a declaração de Alhambra, OpenAIRE e cooperação Luso-Brasileira. Neste domínio foi apresentado o directório Luso-Brasileiro de  Repositórios e destacada a nova dimensão Luso-Brasileira da conferência do Acesso Livre ao Conhecimento. Concretamente, no ponto de situação do projecto RCAAP, a atenção recaiu na integração com o DeGóis, nos indicadores Helpdesk e no próximo Upgrade do DSpace.
A sessão de reflexão dedicada aos Repositórios Científicos de Dados, moderada por Pedro Guedes de Oliveira, contou com a apresentação do relatório do estado da arte, elaborado por uma equipa de trabalho constituída por Cristina Ribeiro, Eloy Rodrigues, Eugénia Matos Fernandes e Ricardo Saraiva, e que será brevemente publicado no site do projecto RCAAP.
José Carvalho apresentou o estudo do estado da arte sobre Teses e Dissertações, a publicar brevemente, numa sessão coordenada por João Gomes e que teve como objectivos a análise do panorama mundial e a definição de directrizes para projecto piloto de teses e dissertações.
No decurso da reunião foram ainda apresentados os desenvolvimentos no projecto Blimunda, que visa registar a política das editoras e revistas científicas nacionais relativamente ao auto-arquivo em repositórios institucionais, e que pode ser consultado em http://sites.google.com/site/projectoblimunda.
A OpenAccessWeek 2010, evento previsto para a semana de 18 a 24 de Outubro, mereceu também um momento de destaque no parte final da reunião, porque se pretendem dinamizar acções de promoção e divulgação nacional no domínio do acesso livre ao conhecimento que possam gerar impacto a nível académico e científico e mobilização dos profissionais envolvidos.